Mercúrio, 2025

A ESA (a Agência Espacial Europeia) e a Jaxa (sua contraparte japonesa) vão lançar em 2018 a sonda BepiColombo, que explorará Mercúrio somente a partir de 2025, quando deve completar sua complicada trajetória e iniciar a coleta de dados sobre a água congelada presente nas crateras pouco iluminadas do pequeno planeta e sobre seu fraco, porém desconcertante, campo magnético. Além da Terra, Mercúrio é único planeta rochoso do sistema solar a possuir um campo magnético, ainda que muito mais fraco do que o terrestre. (O artigo contém um erro importante ao desconsiderar que os gigantes gasosos também possuem campo magnético, dando a impressão de que só a Terra e Mercúrio têm essa característica.)

A descoberta do campo magnético de Mercúrio foi feita com a sonda Mariner 10, em 1974, e é uma das muitas peças que ainda não se encaixam no puzzle ultra hard da formação do sistema solar. O gelo das crateras mercurianas, peça de interesse astrobiológico, foi descoberto pela sonda Messenger, da NASA, que explorou o planeta entre 2011 e 2015.

Kant e os olhos da natureza

​Nature shows that it is just as rich and just as inexhaustible in the production of the most excellent of creatures as it is of the most insignificant and that even their destruction is a necessary shadow amid the multiplicity of its suns, because producing humanity cost nature nothing. The harmful effects of infected air, earthquakes, and inundations wipe out entire peoples from the surface of the earth, but it does not appear that nature has suffered any damage because of this. In the same way, entire worlds and systems leave the stage when they have played out their roles. The infinite nature of creation is large enough that it looks upon a world or a Milky Way of worlds in comparison with it as we look upon a flower or an insect in comparison with the Earth.

Nêmesis (mais ou menos) ressuscitada

Um estudo publicado recentemente por um físico teórico da Universidade da Califórnia e um astrônomo do Instituto Max Planck aponta para a conclusão de que praticamente todas as estrelas são ao menos binárias nos momentos iniciais de sua formação. Depois, algumas perdem suas companheiras iniciais e outras, não. Leia a notícia publicada no Universe Today aqui.

Se o estudo estiver correto, provavelmente o Sol teve uma irmã gêmea em sua infância, perdida desde então. Como o artigo lembra, isso é vagamente reminiscente da velha ideia de que o Sol deve ter uma companheira estelar, convenientemente chamada de Nêmesis. A ideia não vingou mas tem seu charme.

Por que o estudo é importante? Porque, entre outras coisas, a ideia de um Sol resultando de uma formação de um sistema inicial binário pode ter repercussões sobre as teorias de formação do sistema solar, que geralmente não levam em consideração essa possibilidade.

Formação planetária ainda é nebulosa

Como o sistema solar surgiu? Como se formam os sistemas planetários? Ninguém sabe. Ou, sendo menos pessimista: a situação das explicações atuais é, no mínimo, nebulosa. Notícia de 2011 da National Geographic dá uma ideia do mato sem cachorro em que se encontra o campo das teorias de formação de sistemas planetários. Recomendo a leitura pra quem acha que a hipótese nebular de Laplace está firme e forte desde o fim do século XVIII.

Sobre os modelos atuais rodados em simulações de computador, Hal Levison, um teórico da formação planetária, disse algo super animador:

“The only thing we can say for sure is that those models don’t work. […] Those are crappy models.”

Mercúrio e nossas origens

Na Atlantic, um artigo pequeno mas muito bacana sobre Mercúrio. O discreto planeta pode ser importante para que as ciências consigam pistas sobre a formação do sistema solar e a própria origem da vida.

When Mariner 10 arrived at Mercury 40 years ago, it found that the little rock, unlike Mars and Venus, generates its own internal magnetic field. Mercury also has plate tectonics like the Earth, but rather than many plates, it has one massive plate cracking and contracting above its liquid outer core. “That puts Mercury in a special place with the Earth,” said Tom Watters, senior scientist at the Center for Earth and Planetary Studies of the Smithsonian National Air and Space Museum. “The two bodies are tectonically active today with active magnetic fields … there’s no evidence that either Mars or Venus have active tectonics.”

There’s a reason for Mercury’s magnetic field. Its iron innards take up over 80 percent of its radius, or more than 60 percent of its volume. The Earth’s core, for comparison, only takes up a little over half its radius, less than a third of its volume. That means Mercury is a dense metal sphere—a lot more metal than rock, said Solomon. So scientists wondered: How do planet formation processes create a mostly metal ball? They had a few theories: Maybe Mercury formed in a metal-rich region around the Sun, or maybe the early Sun blasted some outer layer of rock away. Or, the most badass theory, maybe Mercury was once the size of Mars and took a major wallop from some giant unknown visitor, stripping away part of its diameter. None of these theories turned out to be correct. When MESSENGER arrived, the planet revealed way more volatile elements, those with low boiling-points like sulfur or potassium, than scientists expected to see. Any of the above scenarios would have vaporized these materials off of the planet, and yet they remained.

Mercury has been generous with the secrets of the solar system’s other planets, including our own, thanks to deposits of water ice hiding at its poles. Despite sitting a mere 36-million miles from the Sun on average, it has some valleys hiding in the shadows forever, staying frigid without radiation exposure, or an atmosphere to distribute the heat. That’s where the water ice hides, covered in dark splotches that scientists like David Paige at the University of California, Los Angeles haven’t confirmed, but have reason to believe, is carbon.

If these dark splotches are carbon, then the dark craters might even help explain how we ended up with life here on Earth. Scientists believe that much of our own carbon and water came from the outer reaches of the solar system, said Solomon. Those craters could contain the oldest samples of some of the carbon and water that eventually let you, a carbon-based organism, sit down and read this piece today. As some of the oldest undisturbed carbon samples in the solar system, they’d allow us to look at the earliest carbon and water looked like on our own planet. “It’s a little bit bizarre in a way,” said Solomon. “We might have to go to Mercury to address the question of how life might have started on our own planet.”

So understanding one of the most important secrets of our own planet relies on sending a lander to a tiny, atmosphere-less, scorching metal ball, sending the craft circling the inner solar system for several years just to stick it into orbit. Mess anything up and the craft shoots directly into the Sun.

Kant e o universo-fênix

The push and pull of the bond explains cosmic self-organization, and in the Universal Natural History Kant shows how the chaos evolved to the starry skies visible now. It should be possible to do the same for organisms, but science at the time did not explain the formation of life. How life unfolds we do not know (1:230.14–20); we only know that it does. Kant believes (science agrees) that star birth is easier to determine than the creation of life (1:230.20–26).

With his famous nebular hypothesis, Kant discerned how planets, stars, and galaxies form. Their birth is a process of titanic power. Attractive forces contract particles into clouds, but repulsive forces deflect them up close. Continued accretion increases deflection, imparting angular momentum on the ever quicker rotating cloud. Rotation generates centrifugal forces, pulling the cloud’s equators outwards, crushing the poles, until the out-bulging yet in-falling sphere, revolving ever faster around its center, flattens into a disc. The bond, in Newton’s model of universal gravitation, continues coalescing in momentum and spin, until the center of the cosmic disc is so energized that it combusts. Increased energy translates into increased structure, organizing the ecliptic plane into lumpy coalescence. When the disc plane sediments into spinning bands, the lumps grow massive, while caroming along their orbits. The moving masses vacuum their paths and grow into planets strung along an ecliptic plane, orbiting a sun in now empty space—or, on a higher order of magnitude, into suns majestically revolving around a brightly lit galactic center. Whether suns in spiral galaxies, or planets in solar systems, the orbiting satellites sweep out equal areas in equal times, with their periods in sync with their distances from the gravitational centers.[18]

With this essay, Kant synthesize Newton with his own theory of forces, leading Kant to the cutting edge of current knowledge. Nature, in the Universal Natural History, streams outward in a wavefront of organization (1:314.1–2), generating worlds (1:314.8), biospheres and sentience (1:317.5–13, 352–3), and finally reason, human and otherwise (1:351–66). Organization is fragile, and spontaneity, pushed far enough, invites chaos. Mature cosmic regions decay, chaos sets in, and entropy follows in the wake of complexity. But entropy provides the very conditions that allow the cosmic pulse to bounce material points back to order. Thus the expanding chaos coalesces at its center into order, followed by chaos, by order, by chaos. Like a rising and burning phoenix, nature cycles between life and death (1:312.13).

For creatures, the cosmic phoenix is a problem. Humans are just feathers on its wings. Humans grow only to burn to ashes; they are not exempt from the cosmic law (1:318.17–18). As the pulsing cosmic vector governs everything, order emerges on all orders of magnitude, from the repetitive birth of the phoenix to the elements to life and to inevitable collapse—only to begin anew again. The force-space bond unfolds in the interactive harmony of dynamic opposites, an interaction governed by Newton’s universal gravitation, churning out galaxies, suns, planets, life, and minds. Thus, as Kant writes, a “single universal rule” guides natural evolution in an absolutely glorious way (1:306.18–23).

“Não esperam ver uma mulher negra nesse papel”

Perto do aniversário de 100 anos da morte da sufragete Emily Davison, o Guardian perguntou a figuras proeminentes de diversas áreas: pelo que lutar, agora, no século 21? A sensacional resposta da cientista espacial Maggie Aderin-Pocock foi a seguinte:

One problem we need to tackle is the way society pigeonholes people according to their sex, creating real barriers to female aspiration. For instance, I’ve got a three-year-old daughter, and when I bought her a toy a little while ago – just a ball game – I was horrified to realise that the packaging described it as a boy’s toy. These stereotypes arise constantly, and although people sometimes say they have a biological basis, history refutes this. Seventy-five years ago it was considered really strange for a woman to become a doctor, and now around 50% of medical doctors are women. People often respond with surprise to the fact that I’m a space scientist – they’re not expecting to see a black woman in the role – and I’d like to see a time when those barriers didn’t exist, when girls believed they could do anything. I’ve long had an idea for an advert that would show two scenes in quick succession. A girl doing her physics homework being discouraged by her family, then shown 20 years later in a dead-end job. Followed by the same girl doing her homework, encouraged by her family, and shown, 20 years later, as the first person to walk on Mars.

 

James Jeans e o universo efêmero

In some way the material universe appears to be passing away like a tale that is told, dissolving into nothingness like a vision. The human race, whose intelligence dates back only a single tick of the astronomical clock, could hardly hope to understand so soon what it all means. Some day perhaps we shall know: at present we can only wonder.

James Jeans, The Stars in their Courses (1931), p. 117.

Que merda é essa?

Como é possível que as ruas não estejam, neste exato momento, cheias de gente com as mãos nos cabelos e de olhos arregalados, numa interminável oscilação entre o espanto contido e o descontrole histérico, entre o sussurro pensado e o discurso destrambelhado, indagando os transeuntes sobre que merda é essa?

Que merda é essa? Que merda é essa? A Terra está girando. A Terra está girando. A Terra tá girando! A gente vive num planeta. A gente vive. Num planeta. Que gira. E que é imenso. Imenso! A gente vive e morre num planeta. A gente brotou dele. A gente é uma formiguinha, uma ameba, perto dessa bola redonda, gigante, que quase não dá pra imaginar de tão grande. E a gente vive na casquinha dela, uma casquinha de ovo, toda rachada, de uma finura que não dá pra acreditar. E um terremoto arrebenta tudo se alguma coisinha sair do lugar e se mexer um pouquinho, nessa casca. E dentro da bolona é tão quente que uma montanha derrete, se desse pra uma montanha cair lá dentro, assim, de uma vez.

E a gente vive nisso! Numa porra dessas. Vive. Vive e morre. A gente se dissolve. A gente se dissolve! A gente é um tipo de coisa que se dissolve. E todas as coisas do nosso tipo se dissolvem – e já tiveram um monte, uma pancada de outras coisas meio diferentes que já não existem mais, mas que são do mesmo tipo nosso, desse tipo de coisa que se dissolve – todas as coisas do nosso tipo se dissolve, já se dissolveu e vai, puta merda, se dissolver. Mais cedo ou mais tarde. De uma forma ou de outra. A gente se dissolve e volta pra casca de ovo. E ninguém sabe até quando isso vai continuar, quando é que todo mundo vai se dissolver e umas coisas diferentes vão aparecer no nosso lugar. Porque parece que sempre foi assim. Essa é a regra da casca do ovo. Ela gera tudo, mas suga tudo de volta. Suga tudo. Até as sepulturas e os nomes, ela suga. É só esperar. Ela espera. Já durou uma eternidade, e vai durar outra. Praticamente pra sempre, quase. Pelo menos pra coisas como a gente, que praticamente aparecem e já somem, sugadas tão rapidinho, vai ser sempre difícil conseguir entender o que é o tempo da bola gigante.

Mas a bola gigante, o planeta, que gera e suga todo mundo de quem a gente já ouviu falar, e vai sugar todo mundo que a gente nem sequer vai conhecer, essa Terra não é nada. Nada. Em cima da nossa cabeça tem o céu, não tem? Mas o céu não é nada. A gente fala céu, como se fosse alguma coisa. Mas não tem nada em cima da nossa cabeça. Não tem teto. Aquilo ali não é um teto. Aquilo é nada. Nada.

Fora o nada tem algumas coisas. Tem a Lua, o Sol, as estrelas. São os astros, não é? É, o caralho! Astros… A gente fala astros e já pensa que é alguma coisa feita de coisa diferente do que a gente, aqui. Astros… Astro é coisa do céu, e aquelas coisas não estão lá no céu, porque o céu não existe! O céu é nada, o céu não é uma tenda de circo em que um monte de luzinha fica passando pra lá e pra cá. Não é que o Sol e a Lua e as estrelas tão tudo no céu. A gente faz parte do céu, junto com o Sol, a Lua e as estrelas! A gente, na casca da Terra, está no céu, girando nele, zanzando por ele, ao redor do Sol, indo com o Sol por aí. A gente, na casca da Terra, como a Terra toda, é feita da mesma coisa que tem nos astros. É por isso que o céu não existe, entenderam? O céu não existe!

A Lua é um outro mundo. Um outro mundo. Mundo em que dá pra ir pra lá e pra cá, que tem montanha também. Um mundo. Um tanto menor, que gira em torno da Terra. Como vocês podem dormir com isso? É um outro mundo lá, um mundo que você pode ver todo dia daqui, uma outra bola. E tem muitas outras, que ficam zanzando em torno do Sol como a Terra. Tem outras bolas, outros mundos, que também têm montanhas. Outros não têm montanhas. Outros têm mais ar do que qualquer outra coisa. Mas é tudo mundo, é tudo lugar em que daria pra andar, ou nadar, ou voar, se a gente não fosse tão fraco e ajeitado só pra Terra. Tudo girando em torno do Sol, como o nosso mundo. A grande diferença é que a gente morreria mais rápido lá do que aqui, nesse pontinho, nesse quase nada.

Pontinho, sim. Vocês já viram a Terra do espaço? Ela é azul e tal, cheia de nuvens, redonda. É bonita. Mas vocês aí, que estão me olhando da sala de jantar, que lavam o carro, limpam a orelha, escovam o dente e passam fio dental, vocês não viram ela de longe. De muito longe. Quanto longe? Não sei. Longe pra caralho. Pra lá do último planeta, da última bola que gira em torno do Sol. Já viram? Quase não dá pra ver. É um nada. Um pontinho.

A gente vive num pontinho. A gente vive. Num pontinho. Visto de longe, é um pontinho. Mas o longe pra caralho que eu falei é até longe. Só que não é assim tão longe, longe de verdade, longe que não dá pra ver a Terra nem fodendo. Longe mesmo é o seguinte. Vou explicar, e acho que vai ser agora que vocês vão começar a querer a ficar tudo meio espantado, estarrecido e pasmo como eu sou. Porque de tudo o que eu já falei até agora, talvez tirando a Terra sendo um pontinho, tudo isso vocês aprendem na escola e acabam ficando tudo meio anestesiado. Ninguém carrega na alma e sente de verdade a maluquice de que a gente tá tudo grudado numa bola gigante, que na verdade é uma merdinha de nada, no nada. Ninguém leva isso tudo até o fundo de quem realmente é, porque se levasse estava todo mundo aqui na rua comigo agora, com o olho esbugalhado, quase sem cabelo.

O Sol, vocês sabem o que ele é. Todo mundo sabe. O Sol é uma estrela. Mas o que significa isso são outros quinhentos. O que são as estrelas? Todo mundo sabe a xaropada: é um astro que produz luz própria, enquanto o resto, os planetas, as luas, os cometas, e etcetera, só refletem a luz das estrelas, e tal. Isso é xaropada. Vamos parar de repetir isso, porque já deu. Pode até ser verdade, mas e daí? Não deixa ninguém doido. O que deixa doido, o salcifufu da história toda, é que as estrelas são sóis. O Sol é uma estrela e as estrelas são sóis. Ligue os pontos.

Quem liga os pontos não pode só ficar aí na sala de jantar, lavando o carro, limpando a orelha, escovando o dente e passando fio dental. As estrelas são sóis, cada uma delas que a gente vê no céu. Esse monte de estrela aí. Ligou os pontos? Pra gente ver eles assim, como pontos, é porque esses sóis tem que tá muito longe, longe pra caralho, longe pra caralho!

A maioria desses sóis, porque são do mesmo tipo de coisa do Sol, deve ter planetas, outros mundos, outras bolotas, zanzando ao redor deles. E é uma caralhada de sol. Se só no nosso bairrinho, no quarteirão cósmico em que a gente vive, tem uma caralhada de sol, com uma caralhada de mundo ao redor, imagina o resto. E tem uma caralhada de galáxias. Uma caralhada, isso até onde a gente consegue ver. E os sóis nascem e morrem, e os mundos também nascem e morrem.

Por isso, não me venham dizer que não tem uma caralhada de coisas do nosso tipo, tudo espalhado por aí que nem micróbio numa pia, coisas que, como nós, surgem e somem assim, do nada, rapidinho, num estalo, espalhadas por aí em outros mundos, em outras cascas de ovo, coisas que vêem e amam outros sóis, que também percebem que a folhinha em que vivem e morrem é só uma parte de uma floresta sem medida. Coisas capazes de levar essa loucura toda até o fundo de quem realmente são, coisas que aparecem e se dissolvem em infinitas cascas de ovo, que saem para a rua, com os olhos esbugalhados, quase sem cabelo, perguntando que merda é essa, que merda é essa, que merda é essa.